Tutorial - Hyperion (ambilight clone) na Raspberry PI (com OpenELEC)

Olá a todos,

O utilizador Karluz do nosso fórum deixou-nos um tutorial interessante para aqueles que procuram replicar o sistema ambilight da Philips de forma low-cost, utilizando o XBMC e a Raspberry PI. Apesar de inicialmente ser sua intenção utilizar o boblight, a baixa performance e alguns bugs que encontrou levaram-no a optar pelo hyperion como sistema. Parece que a opção deu frutos...
Deixamos abaixo o tutorial escrito pelo Karluz:

“O Ambilight (acrônimo de Ambient Lighting Technology) é uma tecnologia desenvolvida pela Philips para uso em televisões.
Permite projectar um brilho luminoso suave nas paredes ao redor da TV. A tonalidade desse brilho luminoso é automaticamente alterada de acordo com as cores e com o brilho da imagem.”
 (wikipedia)

No fundo, algo parecido com isto:



Passando á acção, material necessário (este foi o material que usei podendo ser alterado):

Para o XBMC:
• Raspberry Pi (44.22€)
• Cabo HDMI (3.63€)
• Cabo USB MicroB p/ alimentação (3.63€)
• Transformador USB 5v 2.5A (12.24€)
• Cartão de Memória 16Gb Class 10 (15.93€)
• Adaptador Wireless USB ou Cabo Ethernet (9.78€ ou 3.63€)
• Caixa para o Raspberry (9.78€ ou grátis se forem habilidosos :D )
(XBMC custou-me 89.43€ na Inmotion (fazer publicidade a custo zero :lol: ))

Para os Leds:

• Leds WS2801 q.b. (entre 11€ a 60€)
• Transformador 5v 2.5A p/ alimentação (12.24€) (o meu foi grátis porque usei um de um tablet que a minha filha danificou)
• 3 Cabos Jumper (tinha-os perdidos na mala de ferramentas)
• 4 Ligadores Electricos ou um ferro de soldar e um pouco de habilidade (também os tinha perdidos na mala de ferramentas)

(Leds 12mm RGB WS2801 custaram-me 11.84€ no ebay (25 leds))



É necessário ainda o acesso via SSH ao Raspberry.

Não vou pormenorizar as partes mais óbvias como a instalação do OpenElec e afins vou apenas focar-me no tema propriamente dito e é necessário conhecimento mínimo a nível de SSH.

Instalar o XBMC
Ligar todo o sistema de Raspberry Pi e amigos e instalar o OpenElec (no meu caso instalei o 12.2 Frodo), adicionar os addons TV Portuguesa e companhia, gentilmente fornecidos pel’a minha casa digital, fighnight e amigos. 
:D Mais uma vez obrigado a todos que fazem o nosso dia mais feliz :D ).
Colocarem o youtube ajudará para efeitos de teste dos leds.
Activarem SSH e Samba nas opções do OpenElec:
Enable SSH – ON
Disable SSH Password – OFF
Enable SAMBA – ON
Use Samba Password Authentication – OFF


Depois de tudo a funcionar passemos ao que nos trás aqui.

LEDS

HARDWARE:
Os LEDS devem ter 4 cabos:


Dois deles serão obviamente fáceis de ligar, 5v ligado ao “positivo” do transformador e o Ground ao “negativo”, deverá ser também ligado um dos cabos jumper ao Ground dos Leds para ligar ao Ground da GPIO do Raspberry Pi (pino 6 da GPIO do Rasp).
Os outros dois poderão ser ligados por tentativa erro ao Rasp, sendo que um deles liga ao pino 19 e outro ao pino 23 da GPIO do Rasp.
Conforme imagem:


SOFTWARE:
Ligar via SSH (eu utilizei o Putty):
Código:Selecionar todos
Login: root
Password: OpenElec


Executar 3 simples comandos para transferirem e instalarem o Hyperion:
Código:Selecionar todos
curl --get https://raw.github.com/tvdzwan/hyperion/master/bin/install_hyperion.sh > hyperion_install.sh

chmod +x hyperion_install.sh

./hyperion_install.sh


Em principio os leds já devem dar algum sinal de vida, experimentem reiniciar o Raspberry Pi e depois ensaiem com um qualquer vídeo e ou stream (liguem o transformador dos leds claro).
Exemplo: 

https://www.youtube.com/watch?v=sr_vL2anfXA

(este video é bom também para testarem o vosso "mapa" mais á frente)

Caso nada aconteça ou os primeiros leds da “fita” acendam de forma aleatória ou esquisita provavelmente terão alguma ligação mal feita ou algum mau contacto :? . 
Se os leds acenderem todos ou quase todos mas de forma não coincidente com o que se passa no ecrã é sinal que em princípio tudo está bem e falta apenas ajustar o “mapa dos leds” que faremos de seguida.

No explorador do Windows aceder a "\\IP_DO_RASPBERRY_PI\Configfiles".

E abrir/editar o ficheiro “hyperion.config.json”. Podem abrir com o bloco de notas mas um editor mais especializado é aconselhado, eu utilizei o sublime2 (http://www.sublimetext.com/2).
Confirmem que nos Paths está o seguinte:
Código:Selecionar todos
   "effects" :
   {
      "paths" :
      [
         "/storage/hyperion/effects"
      ]
   },


(Caso não esteja deverá ser alterado)
E agora o “mapa” propriamente dito. A parte mais complicada mas vão ver que não é nada de outro mundo…
A sintaxe (forma de escrever) é a seguinte:
Código:Selecionar todos
      {
         "index" : 0,
         "hscan" : { "minimum" : 0.0000, "maximum" : 0.0900 },
         "vscan" : { "minimum" : 0.8750, "maximum" : 1.0000 }
      },

A primeira linha: “index” é o numero do led (sendo que o primeiro led da fita é o numero zero)
A segunda linha: “hscan” é onde se define a range horizontal que é atribuída ao led
A terceira linha: “vscan” é onde se define a range vertical que é atribuída ao led

Mas afinal o que é isso de hscan e vscan?
São os campos onde se define que parte da tv é atribuída ao led em causa. Cada um destes campos é composto por dois valores, um valor mínimo e um valor máximo e esses valores vão de 0.000 a 1.000. 
Temos que saber ainda que o ponto 0 horizontal é o no lado esquerdo e o 1 no lado direito e no vertical o ponto 0 é em cima e o 1 em baixo. 

Como calcular os mínimos e máximos?
Basta dividir em espaços iguais. 
Se eu tenho os leds dispostos em 7 + 11 + 7, isto é, 7 leds do lado esquerdo, 11 leds do lado de cima e outros 7 leds do lado direito, defini que cada espaço vertical terá um tamanho de 12.5%. 12.5 * 7 = 87.5 e o primeiro led de cima encarregar-se-á dos restantes 12.5%.
E cada espaço vertical terá um tamanho de cerca de 9% (claro que 9 x 11 dá 99 mas depois damos um jeito ou utilizamos mais casas decimais)
Posto isto, vamos ver o caso do meu “led 0” que está no canto inferior esquerdo da tv. Ele estará encarregue de replicar a cor (ou a media de cor ou o que seja… o algoritmo do hyperion é que trata disso logo não se preocupem) que está nos primeiros 12,5% horizontais e nos 9% verticais. Vamos então definir os mínimos e máximos para este led:
Mínimo horizontal = 0% logo o valor é 0.0000
Máximo horizontal = 9% logo o valor é 0.0900 

Agora para os verticais é preciso ter em conta o que falamos á pouco de que o ponto 0 vertical começar em cima e em baixo ser 1.
Mínimo vertical = 0% logo o valor é 0.8750 ( 1 – 0.125)
Máximo vertical = 12.5% logo o valor é 1.000

Então fica:
Código:Selecionar todos
         "index" : 0,
         "hscan" : { "minimum" : 0.0000, "maximum" : 0.0900 },
         "vscan" : { "minimum" : 0.8750, "maximum" : 1.0000 }

O primeiro led já está então, faltam os outros… 
Se não estiverem para perder tempo a fazer contas podem fazer uma rápida busca no Mr. Google e procurar por “Boblight.conf Generator” e arranjam logo forma de ter as coordenadas mas atenção que o Boblight funciona de 0 a 100 e não de 0 a 1. Basta dividir os valores por 100 e já está.
ATENÇÃO QUE A SINTAXE NÃO É IGUAL. Logo serve apenas para copiarem as coordenadas e não o código todo.

O “hyperion.config.json” vem já com 50 leds definidos, se tiverem menos basta apagar o que estiver a mais, se tiverem mais toca a acrescentar.

Chegamos á parte em que importa falar na quantidade de leds.
Eu estou a utilizar uma TV 32” e neste momento tenho 25 leds dispostos de forma 7+11+7, isto é, 7 leds do lado esquerdo, 11 leds do lado de cima e outros 7 leds do lado direito e posso dizer que estou bastante satisfeito. Como tenho a televisão em cima de um móvel não me é muito importante colocar leds na zona de baixo da TV. De qualquer das formas vou comprar mais leds apenas para dar uma melhor qualidade de imagem. É como que um aumentar a resolução.
Quanto maior a televisão maior deverá ser a quantidade de leds e cada pessoa deverá estudar a melhor maneira e disposição dos leds, só para terem uma ideia eu coloquei os meus leds em intervalos de cerca de 50~60mm entre cada um... Os leds devem ser colocados o mais próximo possível do ponto a que se referem e não ultrapassarem os limites da tv(não precisam que eu vos diga isso).

Fixar os leds.
Existem muitas formas de fixar os leds, fita-cola, com estruturas metálicas, etc etc. 
Para mim fiz uma estrutura metálica que apertei com uns parafusos aos pontos de fixação da TV mas se não tiverem essa facilidade basta porem a imaginação a funcionar e dar uso á caixa de cartão que está a ocupar espaço desnecessário aí em casa.


Espero que com este tutorial vos possa ajudar e/ou incentivar… afinal foi este projecto que me levou a comprar um Raspberry Pi!
http://www.youtube.com/watch?v=DN8Z1lg4c-A
http://www.youtube.com/watch?v=r4Bsk-OonwY

Cumprimentos


Agradecemos ao Karluz pelo desenvolvimento do tutorial! Óptimo trabalho!

3 comentários:

(Android) - xbmc.apk's compilados com a última librtmp

Olá a todos,


Boas notícias para quem usa o XBMC em Android. Desde ontem, estão disponíveis apks não oficiais contendo a última librtmp.

Podem fazer download no link abaixo:

http://www.mediafire.com/?x4cvp5hl4m9xr#locqdn6vbs6j9

Existe uma versão Frodo e uma versão Gotham na pasta Android-apks/New-2014-builds

Até breve

PS: Obrigado ao fightnight pela informação.

14 comentários:

XBMC - Nova librtmp disponível (17/3/2014)

Olá a todos,

Serve o presente post para vos informar que está disponível uma nova versão da librtmp para os vossos sistemas XBMC (ou para outros projectos que usem o rtmpdump). Como já foi explicado no blog, a librtmp é uma biblioteca do pacote rtmpdump responsável pela resolução dos streams rtmp. A importância desta biblioteca prende-se com o facto de, na sua grande maioria, os hosts protegerem o ip do emissor realizando múltiplos redireccionamentos. Como tal, a librtmp é responsável por resolver o endereço da stream até à fonte do broadcast.

Podem obter todos os ficheiros librtmp consoante o sistema operativo aqui:

http://www.mediafire.com/?x4cvp5hl4m9xr#72qzip1gpdh9w

A pasta onde deverão colocar (substituir o ficheiro existente) consoante o sistema operativo está identificada abaixo:

  • iOS:
    • Apple TV 2: /Applications/XBMC.frappliance/Frameworks/librtmp.0.dylib
    • iDevices: /Applications/XBMC.app/Frameworks/librtmp.0.dylib
  • Linux: Localização variável, executar find / | grep librtmp.so.0 para encontrar as localizações
  • Mac OS X: /Applications/XBMC.app/Contents/Frameworks/librtmp.0.dylib
  • Windows 32-bit: Program Files/XBMC/system/players/dvdplayer/librtmp.dll
  • Windows 64-bit: Program Files (x86)/XBMC/system/players/dvdplayer/librtmp.dll

O procedimento para a raspberry pi (raspmbc/xbian/raspbian/pipplware) está por si incluído no "Linux". Necessitam de executar find / | grep librtmp.so.0 para encontrar a localização do(s) ficheiros e substituí-los utilizando um cliente de sftp. Neste blog, encontra-se um tutorial do procedimento a adoptar para a raspberry pi. No caso do openelec, existe um procedimento especial, devidamente explicado aqui: http://forum.xbmc.org/showthread.php?tid=162307&pid=1481392#pid1481392

Para android, necessitam de substituir o xbmc.apk por um outro previamente compilado e que contemple a nova librtmp. Podem obter esses apk's no link colocado anteriormente.

Qualquer dúvida, usem o tópico correcto no fórum. Se forem novos utilizadores, por favor, passem pelo tópico de apresentações

Se desejarem saber mais acerca das alterações introduzidas na última librtmp, visitem o tópico:


http://stream-recorder.com/forum/customized-rtmpdump-binaries-patch-file-t16103.html

Inté

25 comentários:

Tutorial: OpenElec e Custom Builds no Raspberry PI

Vamos falar um pouco do assunto de colocar custom builds OpenElec no Raspberry PI.

Tenho vindo a ser questionado de como instalar uma custom build no OpenElec.
Dessa forma aqui fica um pequeno tutorial para o efeito. Nada mais fácil que instalar um addon e já está.

Dessa forma deve-se instalar o Repositório do Leopold: Leopold repo
Caso o Repositório ou a secção de Programas do Repositório apareça vazio instalem depois directamente o addon: script.openelec.rpi.config

1. Ir as definições do addon e escolher a Source URL para a custom build preferida:
Pode-se adicionalmente seleccionar para arquivar a versão anterior se for necessário restaurar, como se vê na imagem, coloca-se activo o Arquivo e dá-se a indicação aonde arquivar.
Sempre que existir uma actualização, irão ser avisados e podem optar por actualizar ou ignorar (configurável no tabulador de Notificações).

É possível actualizar para as seguintes releases, conforme o que for escolhido:
2. Executar o addon para aparecer as releases disponiveis da build escolhida:


3. O download começa e é só seguir as indicações, quando reiniciar já tem a nova build.

Cuidados a ter:
- Ter sempre um backup antes de um update (opcional), se der algum problema tem sempre como voltar atrás.

Caso pretendam visualizar o site original do Leopold:
Github

Por: Carlos Correia

2 comentários:

Tutorial: Webcam Server com Raspberry Pi

Como sempre existem aplicabilidades diversas para dar-mos ao nosso Raspberry PI.
Desta forma aqui fica um pequeno tutorial do youtube e em 3 minutos ficam com uma IP camera a funcionar.



Aqui podem verificam as webcams compatíveis: elinux.org/RPi_USB_Webcams

Eu testei com uma logicam e funcionou perfeitamente, mas por exemplo com uma Toshiba já não deu. 
Sempre podem fazer uns testes com webcams antigas que tenham em casa.

Aplicações práticas no meu caso:
- Baby monitor;
- Câmara de vigilância.


Por: Carlos Correia


0 comentários:

Tutorial: Reparar slot SDCard partida no Raspberry Pi


Para quem teve o azar de deixar cair o Raspberry Pi, fica aqui um tutorial simples para tentar reparar a slot.

Conseguem reparar uma slot que tenha ficado semelhante a esta:


















Materiais necessários:
- Cartão de Crédito antigo;
- Cola contacto;
- Xisato;
- Um pouco de papel;
- Palito.

O que fazer:

1. Raspar com o Xisato a slot como na imagem abaixo:
    

2. Cortar o cartão de crédito com o tamanho da slot:
    

3. Fazer o mesmo tipo de sulcos na parte de dentro do pedaço cortado ao cartão de crédito:



4. Espalhar um pouco de cola num pedaço de papel:


5. Aplicar a cola com o palito:
Atenção de colocar a cola apenas na zona vermelha e nunca em contacto com os 2 pedaços de metal.
Depois deixar cerca de 24 horas a secar e de alguma forma deixar algo a fazer pressão sobre a slot e o cartão de crédito aplicado.

6. Produto Final:


Caso não faça a pressão suficiente mesmo assim, para o cartão sdcard fazer contacto, experimentem colocar outra camada de cartão por cima do já colado, de forma a fazer contacto com a caixa do Raspberry Pi.

Link original do tutorial: raspi.tv
Todo o crédito vai ao seu autor por esta forma simples de reparar a slot partida.

Tutorial seguido por um amigo meu com sucesso, no meu caso ainda não tive azar de partir a slot para experimentar.

Por: Carlos Correia

0 comentários:

PiPplware - A distribuição para Raspberry Pi em Português

Olá a todos!

O Pplware, conhecido site sobre tecnologia desenvolveu uma distribuição em Português para o Raspberry Pi! Tiro-lhes o meu chapéu pela inciativa, bem como transcrevo o post deles, aqui para o nosso blog.

Mal possa, testo a distribuição e deixo o meu comentário.

Quem quiser pode testar e manifestar a sua opinião nos comentários ou forum.

Link para o artigo: http://pplware.sapo.pt/linux/pipplware-1-0-a-distribuicao-para-o-teu-raspberry-pi/

----------------------------


PiPplware 1.0 – A distribuição para o teu Raspberry PI
Funcionalidades principais:
  • XBMC 12.3 (media center de um repositório sempre actualizado, com a possibilidade de instalarem as ultimas versões beta do XBMC 13 “Gotham”)
  • XFCE (ambiente de trabalho personalizado de modo muito semelhante ao do Xubuntu)
  • RetroPie (conjunto de emuladores de consolas (+ de 15!) como p. ex. Mega Drive, Super Nintendo, Gameboy, ZX Spectrum, Playstation 1, etc. Roms não incluídas por questões legais)
  • Goolge Chromium
  • Lxmusic
  • Omxplayer (para verem vídeos directamente no XFCE)
  • Alguns repositórios e addons para o XBMC como por exemplo o Youtube, Transmission e TV Portuguesa
  • e muito muito mais…
  • Cliente e Servidor Samba (partilha de ficheiros do Windows)
  • XRDP + VNC (aceder ao ambiente de trabalho do PI noutra maquina com Windows, linux ou Mac)
  • Transmission-daemon (para controlar o download de torrents remotamente)
  • XBMC web server (para controlarem o XBMC remotamente)
  • SSH
Como Instalar no Raspberry ?
Depois de vários meses de trabalhos, eis que chegou o dia de apresentar a nossa distribuição para o Raspberry PI. Chama-se PiPplware (nome sugerido pelo nosso leitor Miguel Freitas e escolhido por unanimidade pelo nosso grupo de Raspberry PI no Facebook) e é desenvolvida pelo nosso leitor Diogo Santos.
Esta distribuição tem como principal objectivo a simplicidade de uso, não sendo necessário grandes conhecimentos técnicos de linux para se poder usufruir das suas capacidades. Além disso, é nosso objectivo ir ao encontro das necessidades dos leitores, assim como aproveitar todas as sugestões que nos vão chegando.
pipplware_02
Actualmente são várias as distribuições disponíveis para o Raspberry PI. No entanto não há nenhuma com suporte em português e, em especial, que seja flexível à integração de funcionalidades que vão sendo sugeridas.
Por isso decidimos criar uma versão mais “home user” para tarefas mais virada para o entretenimento, mas sem descurar tudo o resto que é possível fazer com um sistema linux, uma espécie de todo terreno.
pipplware_000
Assim é possível ter este pequeno equipamento a funcionar como Media Center (talvez o caso mais usual), mas também com um ambiente de trabalho, mais familiar, atractivo e simples, de modo a permitir outras tarefas básicas como visitar uma pagina web, escrever um texto ou umas linhas de código e umas contas na calculadora.
pipplware_00
Um dos pontos fortes do Pipplware é a inclusão do Retropie (conjunto de emuladores de consolas)! Para além das características já referidas, o Raspberry passa a ser também uma plataforma de jogos “retro” de antigas consolas!
Quem não se lembra de clássicos como o Contra, Sensible Soccer, Super Mario, Zelda e o Street Fighter? Pois bem tudo isto agora é possível no Raspberry Pi sem grandes complicações!!!
snapshot5
Apesar de já existirem algumas distribuições para o Raspberry Pi, são muito poucas aquelas que oferecem todos estes recursos, num único sistema operativo!
snapshot0
Para além dos seguintes serviços pré configurados:
O sistema arranca por omissão para o Retropie, onde através de uma interface gráfica, é possível carregar os vossos jogos, alternar entre outras interfaces, realizar configurações adicionais, etc.
snapshot1
Este sistema antigamente conhecido como “Raspbian XFCE + XBMC”, é baseado no Raspbian e 100% compatível com este. É uma evolução e inclui algumas optimizações para uma melhor performance especialmente na leitura e escrita em drives externas e transferências por rede.
snapshot2
O processo de instalação é muito simples e igual ao do Raspbian. Basta inserir um cartão SD previamente formatado (podem usar o SD Formatter ou um equivalente para o vosso SO) num computador e gravar a imagem com o win32Diskimager (no Windows), ou o dd (no Linux ou Mac) – Brevemente iremos disponibilizar vários tutoriais.
Depois basta inserir o SD no Raspberry e ligá-lo. E está pronto!
Não se esqueçam de na 1ª inicialização escolherem a opção 3 “Raspberry Pi Configuration” e depois seleccionar“Expand Filesystem” para utilizar todo o espaço do vosso cartão.

Download: PiPplware 1.0

1 comentários:

Os vídeos dos filhos no carro...

Olá a todos!

Quem tem filhos, já se deparou certamente com o problema das viagens e manter a criançada lá atrás entretida e calma! Inicialmente a coisa resolvia-se com um leitor de DVD portátil e com um molho de DVDs atrás, e a ter que parar sempre que o DVD acabava. Felizmente quando fui pai pela primeira vez, já ripava todos os meus DVDs para ver no mediacenter em casa.

Hoje em dia com um simples tablet android, conseguimos divertir a pequenada com um videos do youtube, ou qualquer DVD que tinhamos ripado lá por casa... Ora o meu problema é que tenho um iPad3 Wifi 16GB, logo com o iOS, apps, fotos, filmagens, pouco espaço ou mesmo nenhum sobrava para colocar qualquer coisa para a minha filha. Sei, no entanto que existem drives wireless para expandir o espaço do iPad para casos como este, contudo são caras, tem mais ou menos 4 horas de autonomia e era mais uma coisa a carregar, pois se a deixasse ligada ao isqueiro do carro, o mais certo era ter um vidro partido quando chegasse à viatura. Posto isto cabe a um pai tecnológico, por os conhecimentos em prática!

Solução: iPad + Smartphone Android + Wifi Tethering + Samba Filesharing for Android


  1. Copia para o cartão SD os vídeos para a pequenada!
  2. Pega no teu Smartphone Android e instala o Samba Filesharing for Android
  3. Instala e configura o acesso ao SD Card, vai a "Other Fileshare Setting" / "Second Shared Folder" e seleciona o teu cartão.
  4. Ativa o Wifi Tethering / PA Móvel. Nota que poderás desativar o 3G, caso não queiras correr riscos de consumos de tráfego por acidente.
  5. Abre o Samba Filesharing e fazes "Enable".
  6. Verás, que caso não tenhas alterado o netbios name do smartphone o caminho de rede será "\\ANDROID\
  7. Ligas o teu iPad à tua rede do smartphone.


  8. Abres o XBMC e adicionas a localização de rede a apontar para o cartão SD no smartphone.
  9. Desloca-te até à pasta adicionada e põe a tocar aleatório e a repetir.
  10. Coloca o iPad no encosto de cabeça do carro e desfruta de uma viagem sossegada! Nota: uns phones dão sempre jeito!

Bom Carnaval!

9 comentários:

Tutorial: NOOBS: O Cartão SD para Maçaricos!

Hoje venho tratar de um tema que já ando para abordar há bastante tempo, o NOOBS. Mas que raio é o NOOBS?... perguntam alguns de vocês!

NOOBS significa New Out Of Box Software, ou seja, é um wizard que facilita a instalação de vários sistemas operativos no Raspberry Pi. Diria até que é o sonho de qualquer Maçarico(*)!! Sim, Maçarico com M grande, pois o verdadeiro maçarico tem à sua disposição em vários locais à venda um cartão SD já pré-carregado com o Noobs!

O NOOBS vem pré-carregado com os seguintes sistemas operativos:

O NOOBS está disponível nas fontes oficiais do Raspberry Pi, por isso qualquer Maçarico pode instalar no seu cartão SD e experimentar. Está disponível em dois formatos diferentes:

Ocupa no cartão SD aproximadamente 1,3GB, e permite instalar qualquer um dos sistemas operativos indicados acima de forma autónoma, sem necessidade de conetar à internet. Nota que caso não exista internet, instalará as versões existentes no cartão.

Ocupa no cartão SD 20MB, e conecta-se obrigatoriamente à internet para instalar a última versão disponível do sistema operativo selecionado.

Como instalar o NOOBS?

1 . Insire um cartão SD de 4GB ou maior.
2 . Formata o cartão SD usando as instruções específicas de acordo com o computador que possuis:

   a. Windows
  • Faz download do seguinte software: https://www.sdcard.org/downloads/formatter_4/eula_windows/
  • Instala e executa a ferramenta de formatação no teu computador
  • Seleciona a opção " FORMAT SIZE ADJUSTMENT" e "ON " no menu "Opções"
  • Verifiqua se o cartão SD inserido corresponde ao selecionado pela ferramenta, não vá estares a formatar outra coisa que não queiras! É pouco provável, mas...
  • Clica no botão " Format"
   b . Mac
  • Faz download do seguinte software: https://www.sdcard.org/downloads/formatter_4/eula_mac/
  • Instala e executa a ferramenta de formatação no seu computador
  • Seleciona "Overwrite Format"
  • Verifica se o cartão SD inserido corresponde ao selecionado pela ferramenta
  • Clica no botão " Format"

   c . Linux
  • Usa o GParted (ou a versão de linha de comando parted)
  • Formata o disco inteiro como FAT
3 . Extrai os ficheiros contidos no ficheiro zip NOOBS.
4 . Copia os ficheiros e pastas extraídos para o cartão SD que acabaste de formatar para a raíz do cartão.
5 . Insere o cartão SD no Raspberry Pi e liga a fonte de alimentação.

O teu Pi vai agora arrancar com o NOOBS e deve exibir uma lista de sistemas operativos que podes escolher para instalar.
Se o monitor continuar em branco, seleciona o modo de saída correta para a exibição, pressionando uma das seguintes teclas numéricas do teclado :
1 . Modo HDMI - este é o modo de exibição padrão .
2 . Modo de segurança HDMI - seleciona este modo se estiveres a usar o conector HDMI e não consegues ver nada.
3 . Modo PAL Composto - seleciona este modo se estiveres a usar conectores de video composto RCA .
4 . Modo NTSC Composto - Não aplicável a Portugal, mas dá sempre jeito saber!

Depois de teres selecionado e instalado o sistema operativo pretendido, o Raspberry Pi fará o seu arranque normal, o NOOBS fica residente no cartão, para que se entenderes, podes pressionar a tecla SHIFT durante o arranque para aparecer a opção de restauro. Isto permite alternar entre sistemas operativos, ou reescrever um cartão corrompido com uma nova instalação.

Simples e até porreiro não é?!

(*) Maçarico, é o termo utilizado neste blogue para indicar um iniciante neste mundo... Todos nós somos Maçaricos, até que todos os dias aprendemos um pouco mais!

4 comentários: