A maior experiência de realidade virtual do mundo chega a Portugal




A Zero Latency abre as suas portas ao público no Dolce Vita Tejo hoje, (dia 18 de Dezembro), para uma experiência nova e única após êxitos em Espanha, Japão, Estados Unidos e na Austrália. Portugal torna-se no segundo país da Europa e quinto a nível mundial a receber a experiência Zero Latency que chega pela mão empresa espanhola Climbing Planet que detém a marca 7Fun especializada em centros de entretenimento e os direitos de abertura e exploração da Zero Latency em Portugal e Espanha.

"Estamos muito satisfeitos e entusiasmados em abrir a Zero Latency em Portugal e proporcionar esta experiência única aos portugueses. Com a experiência que proporcionamos, aliada à aposta do Dolce Vita Tejo na vertente do entretenimento, acreditamos que a Zero Latency irá converter-se rapidamente num caso de sucesso em Portugal. À semelhança dos outros países, iremos iniciar com o jogo "Zombie survival" e ao longo do tempo serão, depois, adicionados outros jogos, com diferentes características" explica Alberto Marcos, Business Development Manager – Europe.


Roberto Xavier, diretor do Dolce Vita Tejo, considera a chegada da Zero Latency um acontecimento único no panorama da oferta de entretenimento nos Centros Comerciais. "Estamos mais uma vez a inovar e a dar passos firmes na implementação do conceito de  shopping resort que está a ser desenvolvido com êxito pelo Eurofund Capital Partners. O Dolce Vita está a transformar-se num espaço único de compras, gastronomia e  lazer para toda a família que surpreende pela diversidade e qualidade da oferta", refere. "Sermos escolhidos pela ZeroLatency para abrir em Portugal  demonstra a nossa força e centralidade", conclui o diretor deste espaço comercial de referência na área da grande Lisboa. 

Estima-se que o mercado da realidade virtual vá ter um forte crescimento nos próximos cinco anos. A consultora Greenlight Insights  prevê que no final de 2017 todo o ecossistema VR atinja os 7,1 mil milhões de dólares. E as plataformas abertas e os centros de entretenimento e lazer terão também aqui um papel importante neste crescimento. Só nos Estados Unidos em 2016, por exemplo, mais de 20 parques de atracções instalaram montanhas russas com realidade virtual como mostra o relatório 'Virtual And Augmented Reality. Are You Sure It Isn't Real?' da consultora Citi GP (outubro de 2016).

Seguindo esta tendência, Portugal converte-se no segundo país europeu com um centro de entretenimento de RV, neste caso instalado no Dolce Vita Tejo. A Zero Latency representa um passo em frente na realidade virtual no que diz respeito à tecnologia que está actualmente disponível no mercado doméstico. Não recorre a óculos que já tenham chegado aos consumidores e, por outro, utiliza tecnologia própria baseada na plataforma aberta de realidade virtual OSVR.

Zero Latency Lisboa é uma experiência de realidade virtual multi-jogador e simultânea. A acção decorre numa zona de jogo real de 200 metros quadrados, onde até seis jogadores podem mover-se com total liberdade e verem-se mutuamente.E tal é possível graças ao equipamento especial e sensores localizados estrategicamente em redor da zona de jogo. As armas simuladas utilizadas no jogo – batizadas de Blackbird" – são feitas através de impressão 3D.

O centro no Dolce Vita vai arrancar com o jogo Zombie Survival e com o passar do tempo serão adicionados mais jogos. A nível internacional estão, neste momento, disponíveis 5 títulos: Zombie Survival, Outbreak, Origins, Singularity e o Engineering. Os jogos Engineering e Singularity acabam de vencer, respectivamente, em Orlando, o primeiro e segundo prémios Brass Ring Best New Product, na categoria de jogos e dispositivos, atribuídos pela Associação Internacional de Diversões e Atrações (IAAPA). Os prémios IAAPA  Brass Ring Awards destinam-se a premiar as proezas e a excelência da indústria internacional de atracções.

Preços, idades, horários, reservas on-line e serviços para empresas

O Centro Zero Latency está localizado no Dolce Vita, ao lado da KidZania, junto à zona de restauração. O horário de funcionamento será de segunda a quinta-feira das 14:00 às 22:00, e na sexta-feira das 14:00 às 23:00. No sábado estará aberto das 11:00 às 23:00 e no domingo das 11:00 às 22:00. A idade mínima para participar na experiência imersiva de realidade virtual é de 13 anos. O preço por pessoa por uma hora de sessão é de 24,95€ ( o tempo de jogo é de aproximadamente 30 minutos, podendo variar consoante o tempo que os jogadores demorarem a equipar-se). Além das bilheteiras no centro, será também possível comprar bilhetes on-line, bastando a qualquer pessoa deslocar-se ao site do Zero Latency, escolher o dia, a hora, número de pessoas e proceder ao pagamento. Sugere-se, no entanto, a reserva on-line atempada do dia e hora da sessão pretendida.

Este espaço poderá igualmente ser utilizado por empresas e grupos para reuniões, eventos, apresentações, etc disponibilizando-se um vasto conjunto de serviços e num ambiente difícil de igualar.

Zero Latency na Europa e no Mundo

Zero Latency abriu o seu primeiro centro em Melbourne na Austrália, em 2015. Seguiu-se depois um segundo em Tóquio pela mão da popular empresa de jogos Sega, dentro do centro Joypolis. Em Novembro de 2016 é aberto o primeiro centro em Orlando nos Estados Unidos e poucos meses depois, Madrid torna-se na primeira cidade europeia a receber a Zero Latency pela mão da 7fun, que detém os direitos de exploração. Amadora será a segunda cidade europeia, estando prevista a expansão para outros países ao longo do próximo ano. No final de 2017, haverá 16 centros Zero Latency espalhados por 8 países de 4 continentes.

Alguns dados interessantes de 2017

+200.000 jogadores em todo o mundo
+22.577.397 Zombies mortos
+ 41.834km - Distância percorrida por jogadores nos centros Zero Latency
+8,94% de satisfação (dados de inquéritos a jogadores)
Tecnologia e jogos na Zero Latency
A experiência Zero Latency baseia-se numa tecnologia flexível e escalável que permite adaptar-se a diferentes áreas de jogo e número de jogadores, dependendo das necessidades de cada centro. A zona de jogo Zero Latency pode ir desde os 225 metros quadrados - como acontece no Dolce Vita Tejo – até aos 400 metros quadrados – como acontece em Melbourne, o que o torna 5 vezes maior do que qualquer outro espaço de jogo de realidade virtual existente no momento. E podem jogar até seis jogadores em simultâneo.

O espaço Zero Latency não tem paredes físicas, o que permite ao jogador andar, correr e lutar em diferentes cenários virtuais e em sucessivos níveis do videojogo de zombies "Zombie Survival". Este jogo será o primeiro a estar disponível na Zero Latency, estando prevista a disponibilização de outros jogos proximamente, de modo a alargar a variedade de experiências disponibilizadas ao público.

A liberdade de movimento única é obtida graças a equipamento especial. Cada jogador terá consigo uns óculos de realidade virtual baseados em OSVR, uma pequena mochila às costas com um computador AlienWare e armas simuladas impressas em 3D, o que tudo junto permite proporcionar ao jogador um grande realismo. No total, o equipamento tem um peso inferior a 3 quilos permitindo a qualquer pessoa poder jogar, independentemente da idade.

Já o sistema de rastreamento utilizado, cuja tecnologia aguarda aprovação de patente, inclui um jogo de câmaras que segue os movimentos dos participantes, envia um sinal aos servidores que o processa e o devolve ao computador que os jogadores levam às costas. É nessa altura que a imagem é renderizada e reproduzida nos óculos de realidade virtual. E tudo em tempo real e com uma latência zero (diferença de tempo entre o que faz um jogador e quando o vê). É daqui que vem o nome do Zero Latency.

0 comentários: