WeDo | Internet das Coisas é a principal fonte de risco segundo 79% dos Operadores de Telecom

A WeDo Technologies reuniu, no seu WeDo User Group anual  (WUG18), alguns dos profisisonais mais influentes e estrategas da área de gestão de risco na indústria de telecomunicações, sob o tema 'Hidden Risks'.

Os presentes quando questionados sobre qual seria a disrupção tecnológica que pudesse ser a maior fonte de risco para a Indústria das Telecomunicações, os resultados foram claros: 79% apontou a Internet das Coisas, como disrupção de negócio com capacidade de disseminação de novos riscos. Seguiu-se a Inteligência Artificial, com 13%,  sendo uma tecnologia que, apesar de poder aumentar a eficácia do combate à fraude, tem potencial para tornar os esquemas de fraude mais criativos e sofisticados.
Um dos grandes  temas da conferência, foi o facto da Internet das Coisas (Internet of Things) já ser uma realidade. Insights de dados recolhidos de vários dispositivos conectados são atualmente usados em vários setores para aumentar a produtividade, resolver problemas,criar novas oportunidades de negócios e potenciar a eficiência operacional. Mas há também uma série de riscos inerentes que obrigam as empresas do setor e/ou de serviços públicos a desenvolver novas estratégias para mitigar e gerir riscos emergentes de segurança e fraude.
Foi também percetível a mudança de perspectivas entre 2017 e 2018. 43% apontaram a fraude de subscrição e identidade como a prioridade a ser endereçada pelos departamentos de risco dos operadores. No ano passado, apenas 2% escolheram essa opção, o que comprova a maior preocupação nos casos de phishing que têm vindo a público nos últimos meses.
A fraude de subscrição apesar do enorme controle existente é real e, cada vez, mais frequente. Vários estudos apontam a perda anual de fraude entre 3 e 8% da receita anual. Os últimos relatórios do setor apresentam perdas por fraude de subscrição na ordem dos 5,22 bilhões de dólares, que representam cerca de 40% de todas as perdas. Esse, é sem dúvida, o maior tipo de fraude do momento, daí ter sido referido por 43% da audiência.
Ficou também clara a preocupação dos operadores com o seu papel na cadeia de valor e com a identificação de novos modelos de negócio, para lá das suas linhas tradicionais. Interrogados sobre qual a posição que iriam ocupar na cadeia de valor de IoT, 57% afirmaram que o seu papel iria além de simples fornecedores de conetividade, posicionando-se também na entrega de plataformas agregadoras de dados, bem como no desenvolvimento de aplicações finais de IoT.

Já a adoção de soluções de gestão de risco baseadas em Cloud permanece uma oportunidade, com vários projetos de cloudificação da oferta discutidos durante o evento, apesar de uma grande parte dos operadores ainda não terem um plano claramente definido para todo o seu panorama aplicacional. Quando interrogados, 24% estão neste momento a analisar ou a utilizar já uma solução de Cloud, enquanto que 42% não sabem quando é que a sua empresa fará esta adoção,
Para Rui Paiva, CEO da WeDo Technologies, estes dados "permitem-nos retirar bastante valor, tornando este evento não só um Forúm para se debater temas da Indústria das Telecomunicações, como também um momento para refletir, aprender e construir novos caminhos em conjunto com os nossos clientes e parceiros." Ficou claro para Rui Paiva que "Existem ainda muitos desafios a transpor no que toca o risco associado às empresas de Telecom, mas as nossas soluções de Gestão de Risco estão no bom caminho para os mitigar".


0 comentários: